Arte de negociar quando o assunto é aluguel

A palavra de ordem continua sendo negociar quando o assunto é aluguel ou renovação do contrato. As empresas que administram imóveis estão alugando mais, mas com valores menores.

 

O Dia, Cristiane Campos, 05/mar

A palavra de ordem continua sendo negociar quando o assunto é aluguel ou renovação do contrato. As empresas que administram imóveis estão alugando mais, mas com valores menores. Na Administradora de Imóveis Renascença, que atua no Rio e Baixada, o tíquete de locação caiu em 10%.
“A tendência é que esse movimento continue nos primeiros meses de 2017, com forte negociação e redução entre 5% a 15% do valor anunciado”, conta o vice-presidente Edison Parente. Pesquisa do Sindicato da Habitação (Secovi Rio) com dados de fevereiro aponta que o preço médio do metro quadrado da locação caiu em 16 dos 17 bairros cariocas analisados no período de um ano. A maior variação negativa ocorreu no Jardim Botânico, na Zona Sul, onde o valor caiu de R$ 48,93 para R$ 45,17 (-7,7%). Ainda de acordo com o Secovi Rio, a flexibilização na hora de negociar reajustes está gerando queda nos preços.
“A tendência é que esse movimento continue nos primeiros meses de 2017, com forte negociação e redução entre 5% a 15% do valor anunciado”
A Ilha do Governador teve queda de 5,7% no metro quadrado. Comparando os meses de fevereiro de 2016 e 2017, os preços ficaram estáveis no Flamengo e Méier, com variação próxima de zero. Analisando apenas os valores deste mês, o preço mais alto do metro quadrado da locação na cidade é o Leblon: R$ 62,32, três vezes mais elevado que o do Méier, que tem o menor preço entre os pesquisados (R$ 19,26).
Já o levantamento do portal VivaReal revela que o preço médio do metro quadrado para aluguel no Rio atingiu R$ 32,33 em fevereiro. Segundo o estudo DMI-VivaReal, houve desvalorização de 0,87% em relação a janeiro. Na comparação com o mesmo período de 2016, a desvalorização foi de 10,27%. Vale lembrar que no contrato de locação é preciso ter garantia: se o inquilino não pagar, alguém será o responsável pelo pagamento.
Entre as garantias estão o fiador, a mais utilizada, o seguro-fiança, o título de capitalização e a caução, que geralmente são três meses de depósito. O SulAmérica Garantia de Aluguel dispensa o fiador. O modelo fechou o ano de 2016 com saldo positivo, com alta de 9% em novos contratos, mesmo com a retração. O SulAmérica Garantia de Aluguel está disponível para locação de imóveis residenciais e comerciais. Com o serviço, o inquilino deposita uma quantia como garantia. E este montante fica automaticamente vinculado ao contrato de aluguel, sem burocracia, de forma ágil e segura. Entre outras vantagens, ele oferece a devolução de 100% do valor depositado e assistências especiais para imobiliárias, proprietários e inquilinos. A Administradora de Imóveis Renascença também oferece um modelo de garantia diferenciado, conhecido como Fiança Empresarial.
A Administradora de Imóveis Renascença também oferece um modelo de garantia diferenciado, conhecido como Fiança Empresarial.
Gastos não devem passar de 30% da renda familiar
Alugar um imóvel requer cuidados. O gerente geral de imóveis da Apsa, Giovani Oliveira, recomenda um estudo detalhado das contas. “O interessado na locação deve avaliar se a vida financeira é estável e se os ganhos mensais cobrem os custos. Sugerimos que não ultrapassem 30% da renda familiar”, sugere. É fundamental, também, analisar bem o imóvel antes de fechar o contrato.
“O futuro inquilino deve fazer uma análise do seu estilo de vida e das possibilidades oferecidas pelo imóvel e pelas adjacências antes de tomar a decisão final. Já vimos casos de pessoas desistirem por conta do barulho da rua no período noturno e outros por não terem opções de acesso ao trabalho”, alerta. Escolhido o imóvel, é hora de analisar a documentação. Verificar se as contas estão em dia, se o regimento interno do condomínio está de acordo com o futuro uso do imóvel e deixar os documentos prontos para dar entrada na solicitação são fatores importantes.
Confira algumas dicas
 
DESCUBRA SEU PERFIL
– Depois de definir o quanto pode gastar, procure imóvel que se encaixe com sua fase de vida atual. Veja se é melhor viver perto do trabalho, da escola, da família, do comércio, serviços próximos, áreas de lazer. Ou em imóveis mais distantes, porém espaçosos. Considere custos com transporte. Evitar trânsito diário é importante.
LUZ DO SOL
– Verifique o posicionamento do imóvel conta para reduzir possíveis custos de energia. O ideal é que a maior parte dos quartos receba o sol da manhã. Verifique como é a vizinhança.
ANTES DE ASSINAR
– É importante vistoriar o espaço antes de assinar um documento que ateste condições de moradia com o proprietário.
REGISTRE DANOS
– Ao fim do contrato, o inquilino é responsável por entregar o imóvel exatamente como o recebeu. Verifique pintura, torneiras, chuveiros, instalações elétricas, hidráulicas e de gás, vidros, janelas, portas, vasos sanitários, armários embutidos, revestimentos, pias, tanques e espelhos. Se houver algo quebrado, peça para registrar para não correr risco de ser responsabilizado posteriormente.
CONTAS ANTERIORES
– Verifique se todas as contas anteriores de luz, gás, telefone, incêndio e IPTU estão em dia, pois elas serão de sua responsabilidade enquanto estiver morando no imóvel. Olhe também como é a inadimplência do condomínio. Se for alta, você vai pagar taxas mais caras para cobrir a falta de recursos.
 
LEIA O CONTRATO
– Para que a sua estadia no local aconteça sem surpresas, é necessário ter conhecimento de todas as cláusulas contratuais. Veja multas para entregar antes do prazo, despesas do inquilino e do locador.
O CONDOMÍNIO
– Quem aluga não tem direito a voto em assembleias, mas deve seguir as regras estipuladas pela Convenção do Condomínio e pelo Regimento Interno. São elas que garantem a paz na vizinhança.
Fonte: Apsa

 

 

2017-03-05_Ademi_renascenca MET1-001-050317.indd

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *